No dia-a-dia do consultório, é comum que a secretária entre em contato com o laboratório para solicitar uma coleta assim que o dentista termina de atender um paciente. O que também acaba acontecendo muito é que o trabalho acaba ficando ali, onde ele está, esperando que o motoboy, ou o responsável pela coleta venha busca-lo. 

 Aparentemente tudo certo, não é mesmo? O problema é que aquele trabalho não foi preparado para ser enviado ao laboratório. Quando o motoboy chega o trabalho é preparado às pressas e enviado para o laboratório “do jeito que der”, afinal, a correria do momento não permite que saia tudo tão bem feito como deveria. 

Faça com antecedência  

Para evitar este tipo de transtorno, principalmente para o consultório, é bom que a pessoa responsável pela embalagem prepare com antecedência o trabalho que será transportado. Que ela tenha tempo hábil para realizar todo o processo com calma. Mas eu sei que você deve estar pensando que isso seria impossível na correria diária do consultório, mas eu posso te garantir que é possível sim. É preciso apenas ter o cuidado de não deixar que os trabalhos se acumulem e tomem muito tempo de quem irá embalá-lo. Se cada caso for embalado no momento em que for liberado para coleta, serão gastos apenas alguns minutos para realizar este processo, assim, não haverá dificuldades de adaptar estas pequenas quebras ao longo do dia e da rotina como um todo. 

Uma segunda opção seria separar um tempo pré-determinado por turno para a realização do processo de embalagem. Todos os dias, tal horário de manhã e tal a tarde será reservado para as embalagens. Caso ocorra algum imprevisto se reorganize, mas não deixe de fazer! Claro que tudo precisa ser combinado com o responsável pela coleta, tendo em vista que você precisa deixar tudo pronto antes que ele chegue. Se você avaliar que isso não será possível, aposte na primeira opção. 

Caixa de transporte  

Ao realizar este processo de embalagem, fique atento aos recipientes que você está usando. Evite usar aquelas vasilhas de plástico que já te acompanham há anos com aqueles pedaços de fita crepe colados. Eles com certeza não são as melhores opções quando se pensa em estética.  

Solicite ao laboratório as caixas próprias para embalagem. Elas geralmente possuem divisórias que ajudam a firmar as peças dentro da caixa, evitando assim que elas fiquem soltas batendo uma na outra e sofrendo ainda mais com os impactos que são inevitavelmente sofridos no vai e vem entre consultório e laboratório.  

Deixe todo o material bem calçado  

Ao embalar os trabalhos, lembre-se de conferir se está tudo devidamente calçado, ou seja, firme e protegido para que os componentes não fiquem se debatendo de um labo para o outro. Esse calçamento é muito importante para evitar que os impactos sofridos pelo caminho prejudiquem as peças que são muito delicadas. 

Além de seus trabalhos serem transportados em uma caixa própria e bem calçados lá dentro, é interessante que eles sejam embrulhados em papel toalha macio, assim eles estarão bem protegidos. Também é preciso respeitar a peculiaridade de cada peça. É preciso estar atendo aos detalhes, como os troqueis, por exemplo, que devem ser colocados em potinhos específicos e envolvidos por algodão ou gaze.  

Respeitando cada detalhe você manterá seus trabalhos mais seguros e evitará imprevistos que podem te gerar um belo prejuízo. Uma embalagem bem feita evita que as peças quebrem, sofram desgastes, ou percam algumas partículas que podem prejudicar o resultado final do caso. E aqui entre nós, o custo de uma boa embalagem é muito menor do que o de um trabalho repetido. Fica a dica! 

E você, já teve alguma dor de cabeça por causa das embalagens? Quer ver mais algum conteúdo sobre isso por aqui? Deixe seu comentário aqui em baixo contando o que você pensa a respeito! É sempre um prazer falar com você!